Esperança que nos traz paz

Há alguns meses, ouvi uma mensagem do Pr. Tim Keller intitulada “Nascidos para / na esperança” (Born into hope, esse “into” não tem correspondente direto no português). Poucas semanas depois, fui incumbido de dar o devocional no início da aula de EBD na minha igreja, justamente no dia da Páscoa. Querendo evitar o assunto do dia, por mais inevitável que fosse, eu queria trazer algo diferente sobre a Páscoa que não fosse, necessariamente, o que seria pregado no culto logo após a aula. Diga-se de passagem, quem é que quer dar uma devocional sobre a Páscoa no dia em que o Bispo Primaz da denominação vai pregar sobre o mesmo assunto? Enfim, lembrei do Tim Keller e fiz o melhor que pude ao transformar uma pregação de quarenta minutos em um devocional de dez. Não consigo fazer jus à pregação de um homem com MUITO mais experiência que eu, mas farei meu melhor para transmitir o que ouvi. Segue, então, aquilo que levei à turma de EBD naquele dia, mas que se aplica ao ano todo, não só na Páscoa.

O texto é 1 Pedro 1.3-9. Se possível, abra a sua Bíblia e leia-o todo antes de prosseguir com o resto do post. Só não transcrevo aqui pois, como vou pegar o texto bloco por bloco, já colocarei cada parte abaixo. Mas, se possível (faz um esforcinho, vai), abra a sua Bíblia ou um site onde você possa ler o texto na íntegra. Usarei abaixo a versão NVI.

A esperança viva (v.3-5)

Bendito seja o Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo! Conforme a sua grande misericórdia, ele nos regenerou para uma esperança viva, por meio da ressurreição de Jesus Cristo dentre os mortos, para uma herança que jamais poderá perecer, macular-se ou perder o seu valor. Herança guardada nos céus para vocês que, mediante a fé, são protegidos pelo poder de Deus até chegar a salvação prestes a ser revelada no último tempo.

A esperança que uma pessoa tem na sua vida define a maneira pela qual vive o seu presente. Por exemplo: imagine que na sua empresa haja dois funcionários que fazem o mesmo trabalho. Porém, enquanto um ganha mil reais por mês para a função, o outro ganha dez mil. O primeiro reclamará da carga horária dizendo que não vale a pena enquanto o outro dirá que aquele trabalho é moleza. O trabalho é o mesmo, porém a recompensa define a maneira com a qual cada um suporta o seu fardo.

Tem um hino americano que diz: “On Christ the solid rock I stand, all other ground is sinking sand.” (Em Cristo, a rocha firme, me firmarei. Qualquer outro chão é areia movediça). A ressurreição de Cristo é a esperança que todo pecador remido tem da sua salvação. Homem nenhum pode salvar a si mesmo pois todos estamos manchados pelo pecado. Porém, uma vez salvo por Cristo, somos salvos para uma esperança viva que não pode ser tirada de nós, pois ela não pertence a homem algum. A nossa esperança de vida, a nossa salvação está no sacrifício de Cristo por nós. Ele morreu por nós e ressurgiu dos mortos para que nós tivéssemos vida eterna com Ele. Me lembro de C.S. Lewis que disse:

Tudo o que não é eterno, é eternamente inútil.

A nossa esperança é eterna. Qualquer outra esperança que não seja eterna é inútil, pois ela tem prazo de validade. Se a sua esperança for o seu trabalho, como você sobreviverá uma demissão? Se sua esperança é a sua saúde, como lidar com a doença? Se você deposita a sua esperança na sua família e esta lhe for tirada por algum acidente? Basicamente, não há nada no qual podemos depositar a nossa esperança que não possa ser tirado de nós. Nada, exceto Cristo.

Uma contradição de emoções (v.6)

Nisso vocês exultam, ainda que agora, por um pouco de tempo, devam ser entristecidos por todo tipo de provação.

4Este versículo me causa tremenda confusão. A esperança citada nos versículos 3-5 é a base da nossa alegria hoje, pois o verbo ‘exultar’ está no presente. Porém, a segunda parte do versículo traz outro verbo também no presente. Ou seja, hoje nós temos alegria na nossa salvação em meio à tristeza. As duas emoções são contraditórias e, em geral, mutuamente exclusivas. Como é que uma pessoa pode ser feliz e triste ao mesmo tempo? Isso não faz sentido, em primeira instância.

Um outro detalhe importante a ser observado aqui. O termo “entristecidos” nos parece um pouco leve. Todavia, no grego, o verbo usado é uma forma termo lupeo. O mesmo verbo é usado em Mateus 26.37, passagem que fala da tristeza e angústia de Cristo no Getsêmani. O que Pedro está dizendo é que mesmo que nós estejamos tristes e angustiados a ponto de suar gotas de sangue, ainda assim exultamos. O verbo é o mesmo e a conotação é esta. Há esse peso, não é uma tristeza qualquer. E mesmo em meio à maior das angústias e provações, ainda assim exultamos.

Nós podemos exultar porque a nossa esperança não depende de circunstâncias atuais e não pode ser afetada por elas. Quanto mais tristes nós nos tornamos, mais devemos nos apegar à Verdade. Em outras palavras, levando adiante o paradoxo, quanto mais tristes estamos, mais felizes devemos ser.

Mas como? Sigamos em frente.

O ouro purificado e a glória (v.7)

Assim acontece para que fique comprovado que a fé que vocês têm, muito mais valiosa do que o ouro que perece, mesmo que refinado pelo fogo, é genuína e resultará em louvor, glória e honra, quando Jesus Cristo for revelado.

O processo de purificação do ouro funciona da seguinte maneira: o ouro passa pelo fogo para que as impurezas possam descer e serem retiradas pelo refinador. No processo, o ouro fica cada vez mais puro e brilha cada vez mais, devido à ausência das impurezas. O objetivo é purificar o ouro de tal maneira que o refinador seja capaz de enxergar o seu reflexo no ouro.

Ao passarmos por provações, somos purificados para que toda e qualquer sujeira que distorça o reflexo de Cristo em nós seja tirada. O quanto mais sofremos, mais devemos refletir a imagem de Cristo. Quanto maior for a chama, mais intensamente brilharemos para a glória de Cristo… mas também para a nossa.

A segunda parte do versículo dá a entender que isso tudo acontece para a honra e glória de Cristo, o que não deixa de ser verdade, pois Ele é glorificado em meio à tribulação. Neste texto, porém, os estudiosos concordam que o louvor, a glória e a honra serão direcionados a nós. Nós seremos dignos de glória e honra no dia em que Cristo retornar por conta da nossa fidelidade em meio às provações.

A fé na salvação em Cristo (v.8,9)

Mesmo não o tendo visto, vocês o amam; e apesar de não o verem agora, crêem nele e exultam com alegria indizível e gloriosa, pois vocês estão alcançando o alvo da sua fé, a salvação das suas almas.

Nós alcançamos o alvo a cada dia. A cada provação, a cada tribulação que sofremos, devemos nos apegar cada vez mais a Cristo e exultar com alegria indizível e gloriosa na Cruz. Ou seja, ao passarmos por um túnel, por mais escuro que seja, devemos olhar para a luz que brilha no final, uma luz que, no dia em que Cristo voltar, ofuscará toda e qualquer treva que tivermos enfrentado no passado. Um dia, em que estivermos face a face com Ele, seremos glorificados e todo o nosso sofrimento será ofuscado pela sua gloriosa luz que brilha em nós.

O exemplo para o nosso sofrimento

Busquemos então o nosso exemplo maior de sofrimento. Cristo tomou sobre si o peso dos nossos pecados, dor maior que qualquer uma jamais sofrida em toda a história. E qual foi a esperança à qual Cristo se apegou em meio ao sofrimento? O que levou um homem a passar por tudo aquilo sem jamais reclamar ou pedir para parar, mesmo podendo fazê-lo?

Foi você. Você foi a esperança de Cristo na Cruz, pois ao completar aquela obra, Cristo selou a nossa eternidade com Ele. Ao se apegar à esperança de nos ter para si por toda a eternidade, Jesus suportou o preço dos nossos pecados na Cruz. Nós fomos a esperança dEle, e por isso, nós hoje o temos como nossa esperança viva.

Um dia o veremos face a face. E naquele dia, todo choro, toda dor, toda tristeza, tudo que jamais nos afligiu será apagado como num piscar de olhos pois estaremos perante o maior amor que este mundo jamais conheceu. Cristo veio para que nós pudéssemos ter uma esperança viva nEle, demonstrando o seu eterno amor por cada um de nós.

Hoje há choro e dor, mas exultemos na esperança viva que é e sempre será por toda a eternidade.

 

Licença Creative Commons

This work is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial-Vedada a criação de obras derivadas 3.0 Unported License.

Direitos Reservados
O conteúdo deste site é de divulgação livre para fins não comerciais. É mandatório quem for reproduzir um post creditar: 1) Nome do autor. 2) URL do blog (com link). 3) Nome do blog: “O Blog do Andrew”.

Anúncios

6 comentários sobre “Esperança que nos traz paz

  1. A gente sofre por circunstâncias, sofre pelo que ainda não aconteceu (Mt 6:25-31), por perdas, por infortúnios. Mas a gente só sofre assim porque não sabe a glória que em nós há de ser revelada; porque se a gente soubesse comparar os sofrimentos daqui com o que o olho nenhum viu, ouvido nenhum ouviu, mente nenhuma imaginou, talvez não superdimensionaríamos o sofrimento desse mundo. Mas sofremos. E o suportamos porque Deus, pela Sua infinita misericórdia, nos deixou Sua palavra que nos orienta, Seu Espírito que nos consola e comissionou irmãos que, mesmo tão falhos quanto nós, são únicos – portanto, de valor inestimável -, e, por isso, fazem falta quando se ausentam um pouquinho que seja, mas trazem alegria em dobro quando compartilhamos, juntos, a alegria da salvação.
    Ah, a multiforme graça!

    Deus o abençoe em cada detalhezinho que Ele lhe comissonou a cumprir.

    NEle, que é nossa esperança,
    Paula
    🙂

  2. Maravilhoso texto Andrew…agradeço por ser sempre um canal de bençãos pra minha vida. Que Cristo seja sempre a Esperança que nos traz paz.
    Engraçado, hoje li um texto na Revista Ultimato que falava justamente sobre isso, nossa esperança futura, que é a volta de Cristo.
    Que Deus continue te usando como vaso de honra, para a Glória Dele!

  3. Andrew, vc conhece o louvor da H.C que diz:

    “…Quem quiser de Deus ter a coroa, passará por mais tribulação…
    As alturas santas ninguém voa, sem as asas da humilhação.
    O Senhor tem dado aos seus queridos, parte do seu glorioso Ser…
    Quem no coração for mais ferido, mais daquela glória há de ter…”

    Lendo seu post me lembrei deste lindo louvor, glória a Deus!
    Continue Fiel a Cristo, marche firme irmão!
    Jesus te abençoe!

  4. Na verdade, nós todos temos uma única Esperança. A fé sem esperança é como um barco sem mar: Não leva a nenhum lugar. Nossos olhos exultam a majestade de Deus. Sei que o que esperamos é real, único e vívido. Que diria Deus se cada um de nós pudesse escolher o tempo? O tempo vai, mas nós ficamos. Ficamos porque esperamos e esperamos para ficarmos com Ele. Nada irá nos separar deste amor e nada irá roubar nosso tempo.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s