Seja fraco em 2013

“O Cristão deve ser a demonstração da existência de Deus. Mas se nós como cristãos individuais, e como Igreja, vivemos aquém de um relacionamento pessoal com outros homens, onde está a demonstração de que Deus, o Criador, é pessoal? Se não houver demonstração alguma em nossa atitude a outros homens de que realmente levamos a sério o relacionamento interpessoal, de nada adianta falar.” Francis Schaeffer

Muitas vezes me pego pensando na pessoalidade do Evangelho e como devemos refleti-lo. 2012 foi um ano quando, talvez pela primeira vez, pensei bastante sobre o que a obra da Cruz significa. Cresci ouvindo falar sobre termos tais quais propiciação, expiação e justificação como parte da salvação, mas por algum motivo, foi só agora que gastei tempo com esses conceitos, ou melhor, fatos. Perante o abismo que o pecado abriu entre o homem e Deus, Ele trouxe a saída perfeita! Por meio da obra da Cruz, Ele conciliou o que era aparentemente irreconciliável sem nunca se contradizer ou abrir mão da sua justiça em nome do amor. Deus amou a sua justiça e a si mesmo, mas também amou o homem que pecou contra Ele. Resumindo… é incrível! E mais, Ele escolheu fazer isso de maneira pessoal. Ou melhor, não haveria outra maneira de pagar o preço de um pecador sem se compadecer, sem tomar o pecado para si como se Ele tivesse o cometido. E então o Verbo se fez carne, tornou-se homem como nós e por compaixão vestiu-se da nossa fraqueza e pecaminosidade para nos salvar, porém, sem nunca haver pecado, tornando-se o sacrifício perfeito.

Caramba. Pare para pensar nisso por alguns minutos. Gaste tempo simplesmente pensando sobre todas as implicações disso. Você não precisa ter todo o preparo teológico do mundo para pensar sobre as conseqüências. Ele tomou a morte certa de todos nós e a assumiu para si… e a venceu. Deus, o Criador, aquele que deu vida a tudo com a sua Palavra, aquele que controla tudo que existe e o sustenta com a sua mão. Esse ser pessoal, essa pessoa se fez homem para nos alcançar, para que pudéssemos o conhecer. Mas Ele não simplesmente se expôs numa vitrine para admirarmos a sua glória (pois teria todo o direito de fazê-lo). Não, Ele se humilhou e abriu mão do seu status merecido para trazer vida a nós que vivemos na morte. E mais, Ele que é todo-poderoso e perfeito se fez fraco e nos mostrou a sua fraqueza. Sentiu sede, dor, tristeza… por nós, para que nós pudéssemos nos relacionar com Ele! Deus se humilhou e se fez pouco para demonstrar seu amor por mim e por você.

Mas Ele vai além disso. Em Filipenses 2.1-11, Paulo nos convida para fazer o mesmo. Não, não somos capazes de fazer tudo que Cristo fez, mas devemos buscar nos relacionar com o próximo de maneira semelhante à dEle. E por quê? Porque somos membro de um só corpo em Cristo. Devemos demonstrar o amor que nos alcançou na nossa fraqueza com humildade e compaixão, assim como Ele o fez.

E como fazemos isso? Como nos humilhamos perante o próximo para demonstrar esse amor?

Nesse ano um dos dez tweets mais reproduzidos entre a comunidade evangélica norte americana foi um do conhecido rapper Lecrae. Confesso que nunca ouvi uma música dele, mas ao ler o que escreveu, alguma coisa dentro de mim reverberou aquele pensamento, e creio que sua colocação foi capaz de englobar todo e qualquer cristão. Ele disse: “Não sou Cristão por ser forte e ter tudo resolvido. Sou Cristão porque sou fraco e admito que eu preciso de um salvador.”

Como é que temos demonstrado esta realidade nos nossos relacionamentos? Como é que temos demonstrado a nossa fraqueza e admitindo nossa incapacidade para o bem?

Se relacionar com o próximo é uma coisa perigosa. O quanto mais nos aproximamos das pessoas, mais enxergamos seus erros. Pior, mais elas enxergam os nossos. Não sei de você, mas eu não gosto quando as pessoas vêem meus erros. Não gosto quando pessoas vêem o quão fraco e incapaz eu sou, o quanto não sei, o quanto ainda preciso melhorar. Quando alguém me faz uma pergunta teológica carregada cuja resposta não sei, dou uma baita enrolada para que ela não veja que, no fundo, não tenho como responder. Faço de tudo para me esconder do próximo. Certa vez Billy Graham disse em uma pregação que se as pessoas que estavam naquele salão soubessem do que se passava na cabeça dele, todos fugiriam e nunca mais o dariam ouvidos. Bem, se Billy Graham pensou isso, não quero nem imaginar qual seria a reação se as pessoas vissem o que se passa aqui dentro de mim.

O surgimento das mídias sociais tem dado uma nova cara à dinâmica dos relacionamentos. De repente, consigo “me relacionar” com pessoas ao redor do país. E melhor, sou eu quem decido o que vão conhecer de mim. Então criamos nosso perfil e as pessoas conhecem alguém que pode até ser digno de admiração, mas que talvez não seja de verdade. Escrever em blog é pior ainda! O blogueiro não precisa submeter suas opiniões a ninguém. Não só me incluo como sou o primeiro a dizer que o blog é uma plataforma muito conveniente. Eu controlo o quanto de mim vocês podem conhecer, escolho quais comentários quero responder e quando não sei a resposta de um deles, posso simplesmente excluir, sem ninguém vai saber. Pior ainda, pessoas vão entrar e, se gostarem do texto, vão elogiar e sei que vou adorar ouvir o quão humilde e exemplar pareço ser… até mesmo se não o for.

Mas isso não é relacionamento. Isso não é me expor ao próximo. E eu não estou refletindo o amor de Deus ao fazer isso. Pior, estou mais para fariseu do que para publicano. E posso dizer que não sou o único. Afinal, quem nunca postou algum versículo ou frase bonita na sua página ou a denúncia de alguma teologia anti-bíblica? Quantos não se juntam nos comentários e nas curtidas para celebrar o quanto nós estamos certos, o quanto somos detentores da verdade?

E quantos batem no peito e, sem ousar olhar para cima, dizem: “Deus, tem misericórdia de mim, que sou pecador”? Começo falando por mim. Mas o Evangelho é justamente isso! A mensagem da Biblia é exatamente essa! Eu, assim como você ou como qualquer outro, sou um pecador que carece da graça e do amor de Deus! Indo além, como disse Karl Barth ao tentar resumir toda a sua obra literária em apenas uma frase diante de um entrevistador: “Deus me ama, disso eu sei, pois a Bíblia assim o diz.” Eu, pecador, sou amado por Deus!

Pai_Filho_MaoComo é que posso demonstrar o amor de Deus por mim aos outros? É justamente admitindo e confessando que sou um miserável pecador incapaz de me salvar, me humilhando, abrindo mão de qualquer suposta autoridade sobre a minha vida e dizendo que o amor de Cristo e a sua obra são as únicas coisas capazes de me salvar. Ao assumir esta realidade na minha vida, necessariamente tenho que reconhecer meu lugar junto com os outros pecadores amados por Deus. Quando eu faço isso, eu me coloco ao lado de todos os homens e nisso me junto à unidade de toda a humanidade.

O dia 1 de janeiro não tem nenhum poder especial, mas sendo os seres emblemáticos que somos, gostamos dos nossos símbolos. Mesmo que nada mude, o meu desejo para você e para mim nesse ano de 2013 é que nos próximos 365 dias nós possamos assumir as nossas fraquezas perante o próximo e nos expormos com o intuito de demonstrar o amor de Deus por cada um de nós. Agora, isso não é nada fácil. Não quero me expor, não quero que pessoas conheçam a minha sujeira. E também não quero me envolver com a sujeira dos outros.

Bem… ainda bem que Cristo não pensou assim.

A minha oração e que neste ano possamos nos relacionar verdadeiramente e, por meio da nossa fraqueza, do nosso sacrifício vivo e diário testemunhar do amor de Deus por todos nós. Que possamos viver, na nossa fraqueza, dependentes da força do Pai.

Feliz 2013!

 

Licença Creative Commons

This work is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial-Vedada a criação de obras derivadas 3.0 Unported License.

Direitos Reservados
O conteúdo deste site é de divulgação livre para fins não comerciais. É mandatório quem for reproduzir um post creditar: 1) Nome do autor. 2) URL do blog (com link). 3) Nome do blog: “O Blog do Andrew”.

Anúncios

5 comentários sobre “Seja fraco em 2013

  1. Realmente, ainda mais no último dia do ano… Todos querem parecer “fortes” … Que estão desfrutando muito bem suas vidas… porém como você disse: Mesmo que nada mude, o meu desejo para você e para mim nesse ano de 2013 é que nos próximos 365 dias nós possamos assumir as nossas fraquezas perante o próximo e nos expormos com o intuito de demonstrar o amor de Deus por cada um de nós.

  2. Desejo para nós, todos os dias, cada vez mais, o pleno reconhecimento do caminho da cruz.
    Diante da Graça e amor de Deus, ‘sem palavras devemos nos aproximar’ e aos outros admitir que o que nos proporcionou tamanho amor, perdão e vida não foi nenhuma obra. Nossa, quantas vezes nossas palavras e bandeiras funcionam como tentativas de justificação!
    Cada vez menos máscaras. Isso é importante.
    É muito melhor ter um semelhante te estendendo a mão do que um super herói voando, te encorajando a alcançá-lo… rs

    “Portanto, confessem os seus pecados uns aos outros e orem uns pelos outros para serem curados. A oração de um justo é poderosa e eficaz.” Tiago 5:16

    Deus nos guie!

  3. Andrew, na segunda metade deste ano conheci seu blog e fiquei muito feliz por me deparar com textos tão sólidos e embasados na Bíblia Sagrada! Que o Senhor Jesus continue te usando meu querido irmão! lendo seu último post me lembrei daquele verso que esta em João 3:30 ” É necessário que Ele cresça e eu diminua” amém!
    Um abraço!

  4. Olá Andrew! Concordo com o que você disse, me comoveu muito. Que eu tenha mais arrependimento na minha vida nesse ano, a cada dia percebo que sem Cristo eu sou nada, o que me decepciona é que todos dizem: “2013 vai ser só vitória em minha vida”. Mas, espero que nesse ano eu ache uma boa Igreja (Por favor orem por mim), que eu diminua, que eu leia a Bíblia diariamente, e vou orar por você, porque sempe me identifico com os seus textos. Deus te abençoe! Confesso que chorei demais ao ler um texto seu pela primeira vez… Porque eu soube que eu não era a única a pensar dessa maneira. Não pare de compartilhar seus pensamentos com todos nós. Me ajudou muito, muito.

    Recomendo a você, a ouvir “Prayin’ For You” do rapper Lecrae, é muito, muito comovente… A música é uma oração ao próximo que acaba sendo para nós mesmos!

    Abraço!

    1. Muito obrigado por compartilhar, Verônica! Muito bom saber que meus textos fazem bem. Pode deixar que me empenharei para continuar escrevendo, sim.

      E obrigado pela dica da música! Vou procurar. Feliz ano novo!

      Abraço,

      A

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s