Meu coração inquieto

Todos os caminhos do homem lhe parecem justos, mas o Senhor pesa o coração. (Pv 21.2)

Sonda-me, ó Deus, e conhece o meu coração; prova-me, e conhece as minhas inquietações. Vê se em minha conduta algo que te ofende, e dirige-me pelo caminho eterno. (Sl 139.23,24)

O coração é mais enganoso que qualquer outra coisa e sua doença é incurável. Quem é capaz de compreendê-lo? “Eu sou o Senhor que sonda o coração e examina a mente, para recompensar a cada um de acordo com a sua conduta, de acordo com as suas obras.” (Jr 17.9,10)

Acima de tudo, guarde o seu coração, pois dele depende toda a sua vida. (Pr 4.23)

Meu coração, ah, meu coração. Como tenho que ter cuidado com o meu coração. Dele depende toda a minha vida, mas ao mesmo tempo, é justamente ele que mais me engana. Quem consegue sondar as profundezas do meu coração e entender tudo que acontece? Eu certamente não o sei fazer.

Estamos no meio de um jejum de quarenta dias na minha igreja. Para quem nunca fez, é uma experiência massacrante. Ao tirar alguns “barulhos” do dia a dia, alguns outros ruídos suprimidos vêm à tona. Nos cultos durante estes quarenta dias, meu pastor tem falado do quanto Deus já está fazendo na vida dele e o quanto ainda será feito. No meu caso, muita sujeira veio à superfície. Ao me aquietar, ao me ausentar de certas atividades que ocupavam minha mente e meu coração, algumas coisas escondidas estão brotando. Antigas feridas, algumas carências, lembranças, tristezas e por aí vai. Confesso que nas últimas semanas tenho pensado: “Deus? Por quê isso? O que eu faço com isso? O que o Senhor quer de mim?” O que mais me assusta com essa sujeira toda que veio à tona é o quanto, em primeira instância, não é sujeira. Estou lidando com ânsias e inquietudes um tanto “justificáveis”. Mas o que será que está por trás delas? É aí que mora o perigo.

Todos temos problemas, cicatrizes, situações mal resolvidas, gritos entalados. Mas o quanto será que somos capazes de deixá-las de lado esperando que elas desapareçam? Alguns procuram qualquer válvula de escape para afogar as mágoas. Bebida, entretenimento, amizades, comida, muita coisa em excesso, qualquer coisa que abafará aquele anseio mais profundo até que acreditemos que não está mais lá. Até aí é “fácil” de identificar.

E quando escondemos essas ânsias por trás de coisas legítimas? E quando nós justificamos as nossas ânsias com coisas completamente explicáveis e até louváveis? É justamente nessa que me encontro.

Trabalho

Não há nada de errado em trabalhar. Aliás, quem se dispõe a trabalhar é digno de honra, pois está lutando para construir um patrimônio, um sustento. Qual jovem solteiro não quer arrumar seu pé de meia para casar? Ou para fazer aquela viagem tão desejada? Qual pai ou mãe não quer poder sustentar ou dar um pouco mais de conforto aos seus filhos? Num primeiro olhar, não há absolutamente nada de errado com isso. Muito pelo contrário.

Mas… pensemos naquilo que você está deixando de fazer por causa do trabalho. “Mas trabalho exige sacrifício!” Certamente. Não há como discordar. Mas será que o trabalho não pode se tornar um escape também? Quantos jovens não trabalham incessantemente só para poder ter uma casa própria e finalmente se ver livres dos seus pais? Quantos pais não saem de casa antes dos filhos acordarem e chegam depois deles dormirem… só para não ter que agüentar a gritaria deles? Quantos maridos não fogem das suas esposas? Ou pior… quantos não querem garantir uma “segurança” própria e não ter que depender de mais ninguém?

Qual é o buraco que o trabalho está preenchendo? O que é que justifica tanto tempo longe daqueles que te amam e querem seu bem? Mas trabalho é uma coisa boa. Mas trabalho também pode ser uma coisa ruim.

Amor 

Você, solteiro, sonha com o seu ungido ou ungida do Senhor? Quem nunca, né? Não é bom que o homem viva só. Isso é bíblico! Constituir um lar, ter uma família própria, viver sua própria história de amor, poder ter quem abraçar e com quem assistir filme agarradinho até de madrugada. Explode coração! Não há nada de errado com isso.

Quanta esperança você tem depositado naquele ou naquela que ainda há de ser revelado(a)? Qual é a felicidade que você espera encontrar nos braços daquele alguém especial? Qual é o espaço que precisa ser “completado” em você? Qual é a metade da laranja que está faltando?

Algumas pessoas vivem pulando de relacionamento em relacionamento pois não agüentam ficar sozinhas. A ideia de não ter alguém, de não ser querido é desesperadora. Terminam um namoro e logo pulam para outro. Alguns nem namoram, mas vivem com alguém em mente, de paixonite em paixonite. Outros se casam o quanto antes. Acham aquela pessoa “dos sonhos” que faz todos os seus desejos e vivem com aquele eterno frio na barriga.

Será que alguém está procurando nos braços de outros o carinho que nunca recebeu dos pais? Será que há problemas não resolvidos em casa do qual estamos tentando fugir? E um casamento vai resolver tudo isso?

Igreja

Devemos pertencer a um corpo de Cristo. Temos que servir aos irmãos em Cristo e demonstrar amor ao próximo! Acorda cedo no domingo, nunca falta uma reunião, está sempre disposto e disponível para qualquer encontroa! Dá aula na escolinha, canta no grupo de louvor, serve a ceia, recolhe oferta, as vezes até traz o estudo! Que sujeito louvável!

Mas qual foi a última vez que você viu essa pessoa “apenas sentar e assistir o culto”? Qual foi a última vez que você participou do louvor como “mero espectador” e prestou o seu culto pessoal a Deus? Ou será que você nem sabe mais o que é isso?

Há pessoas que correm atrás de qualquer oportunidade de serviço na casa de Deus, mas não para servir. (recomendo este post sobre o assunto: Por que Deus matou Ananias e Safira?) O problema é que elas não agüentam sentar e ficar quietas. Não conseguem se aquietar perante Deus e deixar que Ele conduza o culto… ou o seu coração.

O nosso coração enganoso é craque em mascarar feridas profundas que se não forem tratadas vão apenas inflamar e nos destruir ao poucos. Começa no coração, mas é de lá que vem toda a nossa vida. Aos poucos, nosso coração apodrece, nossa mente se perde, nossas forças desaparecem. Mas alguns nunca saberão o que está acontecendo. Alguns simplesmente jogam uma água na cara, colocam um perfume cheiroso e preparam um discurso impecável. E continuam vivendo vidas de pura enganação. Pior, fogem e escondem de problemas que as acompanharão por toda a vida. E se eles não forem identificados e tratados diretamente… vão nos acompanhar e apenas perpetuaremos a doença. Com corações doentes, viveremos vidas doentes, produziremos um trabalho doente, um casamento e filhos doentes, um culto doente a Deus.

Lembra daquele brinquedo de infância, uma tábua ou caixa de madeira com uns buracos em formato de circulo, quadrado e triangulo? Há inúmeras variações. Nossa vida é mais ou menos assim. Tem uma música de uma banda chamada Plumb, que eu ouvia há uns quinze anos. A letra dizia: “Há um buraco do formato de Deus em todos nós, e alma inquieta procura. Há um buraco do formato de Deus em todos nós, um buraco que só Ele pode preencher.” Estamos tentando enfiar o círculo no buraco do quadrado, o triangulo no lugar da estrela. Pior, insistimos que o círculo vai caber no buraco quadrado e começamos a socar a bolinha para entrar! Daí emperra, quebra o brinquedo. E aí? Como é que a gente fica?

Como eu tenho insistido naquele círculo. Como meu coração enganoso foge de Deus, tentando preencher o vazio com coisas que apenas me farão mal e apodrecem o meu coração. Teimoso que sou, procuro em qualquer lugar… menos no lugar certo. Prefiro evitar meus problemas e esperar que eles desapareçam por conta própria ao invés de encarar a putrefação do meu interior e colocá-las diante do Pai que pode trazer a verdadeira cura.

Mas bendito é o homem cuja confiança está no Senhor, cuja confiança nele está. Ele será como uma árvore plantada junto às águas e que estende as suas raízes para o ribeiro. Ela não temerá quando chegar o calor, porque as suas folhas estão sempre verdes; não ficará ansiosa no ano da seca nem deixará de dar fruto. Jeremias 17.7,8

 

Licença Creative Commons
This work is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial-Vedada a criação de obras derivadas 3.0 Unported License.

Direitos Reservados
O conteúdo deste site é de divulgação livre para fins não comerciais. É mandatório quem for reproduzir um post creditar: 1) Nome do autor. 2) URL do blog (com link). 3) Nome do blog: “O Blog do Andrew”.

Anúncios

7 comentários sobre “Meu coração inquieto

  1. Deus, guarda o meu coração? Eu não consigo sozinha…

    Precisamos entender que o problema está no primeiro lugar. Quem? Não importa. Pode ser a esposa, os filhos, os amigos, os pais, as obras de caridade, os atos religiosos ou as obras reprováveis… Enfim, entregue-se ao que quiser! O importante é que você esteja longe. A grande disputa não é por ter um lugar… É pelo primeiro lugar, o reinado, o trono, o primeiro amor…
    Vivemos cercados de tantas informações e barulhos… Ah, quantas coisas, legítimas, dia após dia, me distraem para me arrancar de Deus!
    Na verdade, a dificuldade não está em identificar o perigo. Teoricamente, conhecemos muito bem essa possibilidade de troca. Entretanto, o perigo mora no “suficiente para manter a consciência tranquila”. É essa a grande cilada: ter de Deus o suficiente para nos sentirmos seguros e, ainda assim, investir naquilo que legitimamente nos é permitido, com toda nossa força, alma, entendimento e coração. Mas, ‘peraí’! Seria esse o mandamento correto? Não seria amar a Deus, com essa intensidade, a razão de nossa existência?
    De quem é o primeiro lugar?
    Bom seria se questionássemos isso todos os dias… ou instantes, né? rs

    Ádina, pare de procurar alternativas: Volte para o Criador.

    Andrew, fez muito sentido pra mim =)

  2. Excelente!!! Mexeu comigo. Pôs-me a desejar ficar bem quieta, na presença de Deus, só fazendo uma análise do meu coração. Parabéns pelo texto.

  3. Diferente de todos que já li aqui no Blog.
    Você realmente sabe expressar o que está sentindo em sábias e belas palavras.
    Dá até pra sofrer junto contigo. rs

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s