Deus?

“Porque os meus pensamentos não são os vossos pensamentos, nem os vossos caminhos os meus caminhos, diz o SENHOR. Porque assim como os céus são mais altos do que a terra, assim são os meus caminhos mais altos do que os vossos caminhos, e os meus pensamentos mais altos do que os vossos pensamentos.” Isaías 55:8-9

Eu leio essa passagem e tenho uma espécie de cãimbra mental. Minha mente entra em parafuso e fico pensando… como é que isso funciona? Deus, se é que eu posso lhe chamar disso, é um Deus completamente além do meu pensamento. Então o que será que eu quero dizer quando penso nesse conceito abstrato de um “Deus” que criou tudo e que me ama? Deus… você já parou para simplesmente pensar sobre esta afirmação? Deus. Uma palavra só… o que é “Deus”?

Bem… quando João escreveu seu evangelho e falou que o verbo se fez carne, ele falou a um contexto muito específico. Havia, na filosofia grega, um conceito abstrato de espiritualidade, um algo não identificado que regia todo o universo. Alguma coisa, que ninguém sabia bem como descrever, dava vida a tudo. Entre as pessoas da época, isso era conhecido como o logos. Na tradução, logos quer dizer palavra ou verbo. Daí temos o texto que diz: “e o verbo se fez carne”. Mas quando você para pra pensar no peso dessa afirmação dentro do seu contexto… Aquela “alguma coisa” que dá vida a tudo e permite a vida como a conhecemos… se fez carne. Como assim? Algo que rege tudo e está acima de e em todos os lugares e conhece absolutamente tudo de repente se torna um alguém tão limitado quanto eu. Me deparo simplesmente com a pergunta: o que é um Deus completamente infinito e insondável? Romanos 11:33,34 diz:

Ó profundidade das riquezas, tanto da sabedoria, como da ciência de Deus! Quão insondáveis são os seus juízos, e quão inescrutáveis os seus caminhos! Porque quem compreendeu a mente do Senhor?”

Como é que eu consigo se quer conceber a ideia deste alguém? Essa “energia”, esse “poder” é uma pessoa… mas daí eu penso no meu conceito humano de pessoa e não consigo encaixar essa ideia de “Deus” dentro da minha imagem de uma pessoa. Uma pessoa nasce, tem mãe, tem pai, cresce, aprende, envelhece e morre… mas Deus é infinito! O que é infinitude? Eu não sou capaz de conceber infinitude, pois tudo que eu conheço tem início, meio e fim.

No livro de Jó, o protagonista da história vira pra Deus e pergunta a respeito do seu sofrimento e Deus responde: “onde estava você quando eu criei o mundo?” Meu pai me ofereceu uma interpretação diferente dessa passagem. Ele diz que Deus basicamente fala para Jó: “Nem que eu quisesse lhe explicar, não vai entender, porque você não é Deus!”

Então… diante de tudo isso…. me pergunto: como é que eu ouso me achegar a Deus? Como é que eu oro? Como é que eu encaro a Bíblia? Bem… a Bíblia é outra história.

Imagina tentar explicar para uma criança pequena porque que não se deve tomar o brinquedo da mão de outra. Não adiante tentar explicar para ela sobre ética, sobre relacionamentos, sobre amar o próximo. Dependendo da idade, não dá nem pra usar palavras, porque ela se quer sabe falar. Então, tentamos reduzir a nossa comunicação a termos que ela possa entender, tal qual um “não” enfático.

Daí vem Deus e se revela a nós. Ele olha para nós do alto da sua glória e eternidade e decide enviar seu filho numa forma… humana. E além disso, Ele ainda nos entrega um livro, numa iniciativa perfeita e completa de se reduzir a um nível de compreensão para que possamos começar a conceber o que é esse conceito, essa pessoa que conhecemos e chamamos de Pai.

E diante de tudo isso, eu ainda consigo me colocar como apreciador da Palavra de Deus e falo: mas isso não responde a minha pergunta, isso não atende à minha necessidade.

Você consegue enxergar o “absurdo” disso? Nós queremos que a Bíblia, a Palavra viva do Deus infinito Criador de tudo que há, responda às nossas necessidades individuais. Eu. Um ser extremamente limitado que se quer consegue dominar a língua ou a vontade de comer algo que é delicioso mas me faz mal. A Bíblia não me serve porque Deus não me serve!

Lembro de uma discussão com um colega de colégio sobre a condição humana. Ele disse com uma ênfase enfaticamente positiva: “Como é que Deus pode nos tratar assim? Afinal, somos HUMANOS!” Eu respondi com as mesmas palavras, mas com um tom completamente diferente: “Justamente, somos humanos.”

A Bíblia nos põe no nosso lugar, pois ela é tradução completa e perfeita porém restrita de um conceito insondável à nossa concepção precária daquilo que Deus é. Esta noção deve lhe causar um choque, uma realização de que a Bíblia é apenas uma gota de algo exponencialmente maior do que conseguimos imaginar.

Deus é Deus. E se esse conceito e toda a sua complexidade não lhe causa temor e tremor, então você ainda não entendeu nada.

“Deus é mais verdadeiramente imaginado do que expresso, e existe mais verdadeiramente do que é imaginado.” Agostinho

Licença Creative Commons
This work is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial-Vedada a criação de obras derivadas 3.0 Unported License.

Direitos Reservados
O conteúdo deste site é de divulgação livre para fins não comerciais. É mandatório quem for reproduzir um post creditar: 1) Nome do autor. 2) URL do blog (com link). 3) Nome do blog: “O Blog do Andrew”.

Anúncios

6 comentários sobre “Deus?

  1. Magnífico!

    São literaturas desse nível que nos fazem olhar pra dentro de nós mesmos e perguntarmos: Quem somos nós para merecermos tanto favor de um Deus tão grande?

    Temam e tremam!

  2. Mesmo sendo grande ele se revelou por meio da sua criação (Rm 1:20, )pela sua palavra escrita (II Tim 3:16) e pela palavra viva Jesus (Hb 1:3). E tudo isto nada mais é do que o testemunho da grandiosidade do seu ser bem como da grandiosidade do seu amor para conosco.
    Anselmo definiu Deus como um ser do qual não é possível pensar nada maior, e de fato, cada vez que eu penso em algo grande Deus me surpreeende, se mostra algo maior ainda e alarga o meu horizonte de conhecimento sobre a sua pessoa.
    .
    A paz.
    .
    Luiz Felipe

  3. Acho que você não precisaria escrever mais nenhum outro texto depois desse.Por si so ele ja é conteudo para uma vida toda.Por incrivel que pareça respondeu a um dos meus pensamentos bem limitados.Muito bom.

    Ps:desolé pour la manque de ponctuation le clavier est francais…&

  4. Olá!
    É a primeira vez que entro no seu blog e, confesso, senti alívio em ver alguém ter essa compreensão de que é impossível compreender a Deus. Porque eu entrei em espiral quando percebi essa realidade e me sinto péssima quando as pessoas ao meu redor falam com tanta naturalidade sobre o seu entendimento de Deus, quer dizer, se todas elas O compreendem o problema deve ser comigo!
    Ok, aceitei que Deus é grandioso demais para o meu entendimento, mas uma coisa que ainda me incomoda é como eu posso me relacionar com um ser tão grandioso e que eu jamais entenderei? Sei que existe a graça e o sacrifício de Jesus que permitem o nosso acesso a Deus, mas às vezes me parece impossível chamar de relacionamento íntimo uma relação na qual Deus é onipotente, grandiosos e conhece todos os meus pensamentos e eu sou um ser humano que mal consegue entender as parábolas de Cristo. Compreende o meu conflito? Quer dizer, eu leio na Bíblia e ouço na igreja que Jesus nos forneceu livre acesso a Deus, mas talvez eu ainda não entenda como desfrutar desse acesso.
    Gostaria de ler alguma reflexão a respeito! Já escreveu algum post sobre o assunto?

    1. Olá Anne!

      Não, ainda não escrevi sobre esse assunto. Mas, se me permite uma breve resposta.

      Sim, Deus é completamente insondável e além de tudo que jamais possamos imaginar… Porém, se Deus em toda a sua glória achasse que não fosse possível vivermos uma relação íntima com Ele, creio que Ele se quer teria nos dado uma maneira de fazê-lo. Não, não somos capazes de conhecer Deus em sua totalidade, mas podemos sim conhecer e nos relacionar com Ele na medida em que Ele se revelou a nós. Temos a Bíblia e temos Jesus Cristo. Se Deus não quisesse que nós tivéssemos esse relacionamento, Ele nos produziria em nós essa disposição ou noção capaz de atentar a Ele, muito menos se daria o trabalho de mandar sua Palavra ou se quer enviar seu único filho por nós.

      Não poder compreendê-lo por completo não deve limitar ou inibir a nossa busca por Ele. Faz sentido? Espero que tenha ajudado de alguma maneira 🙂

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s